Previsão do tempo para fevereiro: instabilidade permanece até a colheita

08/02/2016

Nas lavouras do Centro-Oeste e do Sudeste, as chuvas de verão podem cortar mais cedo, ainda devido aos efeitos finais do El Niño

clima
Veja a previsão do tempo para a agricultura no mês de fevereiro (Foto: Revista Globo Rural)
Soja
Instabilidade permanece até a colheita. O principal lavoura de verão é uma das mais afetadas pelo clima. Em Mato Grosso, maior produtor, o atraso das chuvas prejudicou o plantio e a estiagem de dezembro comprometeu o desenvolvimento das lavouras.

As chuvas deram sinal de regularização no final de dezembro e continuaram em janeiro, mas sem dar trégua. Em muitos municípios de Mato Grosso, choveu sem parar nos primeiros 20 dias de janeiro, atrapalhando os tratos culturais, reduzindo a luminosidade, favorecendo o surgimento de doenças e até prejudicando a colheita da soja plantada mais cedo.

Condição semelhante foi observada no Matopiba, que inclui áreas de lavouras do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Até dezembro, esses Estados sofriam com a falta de chuva e, em janeiro, passaram a se preocupar com as chuvas fortes. A previsão é de pancadas de chuvas em fevereiro, mas existe o risco de alguns períodos de estiagem.

Na Região Sul, o principal problema está associado ao excesso de chuvas. Inclusive, no Paraná, as fortes chuvas do início de janeiro provocaram perda total em muitas lavouras, que foram atingidas por enchentes. Mas, em geral, a reclamação dos produtores é que, em função dos muitos dias nublados e da consequente redução da radiação, as plantas não apresentam bom desenvolvimento e não estão parelhas, com as condições variando muito de uma região para outra.

As lavouras do sul do Brasil também não estão livres da variabilidade das chuvas deste verão. Depois de enormes acumulados de chuva até dezembro, em janeiro, os produtores, principalmente do Rio Grande do Sul, passaram a se preocupar com a redução da chuva. Há uma expectativa de retorno das chuvas no final de janeiro, com indicativo de pancadas mais regulares em fevereiro.

Clima
Extremos colocam em risco a safra de verão. Uma hora seco demais e na outra com chuva em excesso. Esse tem sido o dilema enfrentado pelos agricultores brasileiros.

Os problemas desta safra começaram ainda no período do plantio das lavouras de verão, que foi marcado pelo excesso de chuvas nos Estados do sul do Brasil e também em Mato Grosso do Sul, enquanto o restante do Cento-Oeste, Sudeste e do Nordeste sofreu com a falta de chuvas. Muitas regiões só foram realizar o plantio em janeiro, em função do atraso das chuvas do verão.

Como se isso não bastasse, em janeiro se observou uma mudança de padrão no comportamento das chuvas. Onde estava seco voltou a chover e secou onde chovia demais. Em tese, essa seria uma condição favorável, pois o clima estaria fazendo uma compensação. O problema é que os períodos chuvosos e secos foram muito extremos.

A explicação para essas anomalias climáticas está associada à ocorrência de diferentes fenômenos meteorológicos. O principal destaque é a presença do El Niño que atua desde o segundo semestre de 2015. O fenômeno foi responsável direto pelo excesso de chuvas no Sul e pelo atraso das águas no centro-norte do Brasil. O El Niño vai continuar influenciando o clima durante todo o verão e deve entrar em processo de enfraquecimento gradual a partir de março.

Já as chuvas de janeiro no Centro-Oeste, Sudeste e Nordeste, em primeiro lugar, estão associadas a uma característica da estação, já que o verão é o período chuvoso dessas regiões. As chuvas fortes e duradouras estão relacionadas também à atuação de uma frente fria que avançou até o nordeste do Brasil e se alimentou da umidade da Amazônia. O sistema provocou chuvas contínuas por vários dias, caracterizando uma Zona de Convergência do Atlântico Sul, sistema meteorológico comum nesta época do ano.

Milho
Risco de geada no Sul. O cultivo do milho de segunda safra neste ano deve ter um padrão climático diferente dos últimos anos. A fase de desenvolvimento das lavouras coincide com a fase de enfraquecimento do El Niño, cuja principal consequência está relacionada ao comportamento da temperatura.

O outono de 2016 deve ter temperaturas mais baixas que o outono passado, que foi anomalamente quente por causa do El Niño. Inclusive, para os Estados do sul do país, a partir de maio já se pode esperar algumas ondas de frio, aumentando o risco de geadas em junho. Essa condição pode representar alguns problemas para as lavouras do Paraná e de Mato Grosso do Sul, cujo risco depende do período de plantio.

Já para as lavouras do Centro-Oeste e do Sudeste, as chuvas de verão podem cortar mais cedo, ainda devido aos efeitos finais do El Niño. Por outro lado, o enfraquecimento do El Niño pode favorecer a ocorrência de alguns episódios de chuvas isolados entre maio e junho, por causa do avanço das frentes frias provenientes do sul do país. Essa condição beneficia fundamentalmente as lavouras plantadas mais tarde, muito embora deva se ressaltar que as condições climáticas sejam inferiores às observadas nas últimas duas safras.

POR PAULO ETCHICHURY, DA SOMAR METEOROLOGIA

Fonte: Globo Rural

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: