Fim da vacinação contra aftosa no PR será definido após campanha de maio

17/02/2016

O governo do Paraná busca consenso para definir se a campanha de vacinação contra a febre aftosa prevista para maio será a última da história do estado. Mirando o reconhecimento internacional como área livre da doença sem imunização do rebanho, o estado dá sequência à preparação para atender todos os requisitos exigidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) . Mas, para colocar as medidas efetivamente em prática, a aposta é manter o diálogo com o setor privado para que não haja resistência às mudanças.

A intenção inicial da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab) era suspender a vacinação já no ano passado. Entretanto, questionamentos do setor produtivo e as restrições orçamentárias enfrentadas pelo Estado levaram as entidades a adiar a decisão, pois nem todas as obras de infraestrutura sanitária necessárias para o controle da doença estavam prontas.

Agora os debates recomeçam, mas a campanha de imunização do primeiro semestre está mantida, revela o presidente da Adapar, Inácio Kroetz. “Quem vacinou em novembro vacina em maio. Até porque é a partir daí que começa a contar o calendário da OIE, com o período de 12 meses sem vacinação até a obtenção do status de área livre.” Ele explica que, havendo consenso geral, o pleito é apresentado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que por sua vez faz a solicitação para a OIE.

Ainda assim o impasse parece longe de um desfecho. Entidades que se manifestaram contrárias à mudança no ano passado, como a Sociedade Rural do Paraná, não recuaram. “Reconhecemos a importância da área livre sem vacinação, mas questionamos o modo como está sendo feita essa transição”, afirma o presidente da entidade, Moacir Sgarioni. “Enquanto o mundo amplia as fronteiras comerciais nós iremos nos fechar, e sem nenhum ganho real garantido”, critica.

Kroetz adota tom conciliatório, mas defende as vantagens da medida. “Não é uma decisão que vem de cima para baixo, também precisa ser um desejo do setor produtivo o fim da vacinação”, pondera. “Mais dia ou menos dia o fim da vacinação terá que ocorrer. O impacto positivo está mais calculado e comprovado”.

Autor: Igor Castanho

Fonte: Gazeta do Povo (AgroGP)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: